quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

De vagabundo é o próprio mundo

O mito do trabalho seria a mortificação da vida? Por que se criminaliza tanto no Brasil a vagabundagem? Houve melhor momento de profunda personificação do que acontece no Brasil de hoje do que num tempo de vadiagem, o carnaval da Tuiuti? Desde priscas eras da nossa colonização, havia a criminalização da vadiagem. Porém, a criação artística,  literária, geralmente está associada ao tempo livre de nada fazer, de ser vagabundo. Alexandre, o Grande, existiria sem ter tido por preceptor um Aristóteles? Voltaire não seria um vagabundo das cortes européias sustentado, como muitos outros  gênios o foram, pelos diversos Mecenas da história? Sem Engels pra lhe dar suporte, Marx escreveria o Capital? Sem os sindicatos para mantê-lo, existiria o grande Lula? A palavra que mais enche a boca de um pobre de direita ou de um citibundo é a palavra vagabundo.  Mas que mal faria ao mundo, o vagabundo? Por que se deixar levar pelo sentimento de culpa que o avassala quando se não trabalha? Não, vagabundo, não se sintas nessa de acreditar piamente que terás de ter o pão com o suor do teu rosto. Mesmo porque se o pão de hoje tá longe de ser o que era no tempo de adão, quem ganha grana geralmente não trabalha e o suor do rosto mal lhe chega a testa nas salas refrigeradas de poder. Vagabundo? Acho que quando nos formos desta vida terrena finalmente o seremos: dignos vagabundos. De sitibundos a vagabundos, sem cismas da vagabundagem.

https://youtu.be/6hiSAFYOqgA

RA

foi escritor de hebdomário maniqueísta muito requisitado por seus leitores. Posto de lado provavelmente por dificuldades financeiras da revista, oscila hoje entre críticas à esquerda e à direita. Tornou-se assim uma metralhadora giratória disparando petardos que ora erram, ora acertam o alvo, lembrando o JB da justiça. Mas acho que sempre levará consigo o anátema das penas amestradas inconfiáveis de opinião. Guarda um ódio visceral ao PT e às esquerdas, que hoje está enrustido e até camuflado, à falta de melhor patrocinador ou de um momento oportuno de se evidenciar virulento de novo.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Acabem com os sigilos bancário e fiscal.

Deveria-se acabar com sigilos bancários e fiscais de servidores públicos e de quem transaciona com o estado. Os santos do pau ôco se mostrariam nús. Sigilo bancário é invenção de suiços pra defender generais nazistas que se locupletavam de judeus. Defender o que serve a bandidos?

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Vão fraudar essa eleição

Rapaz, venho dizendo: vão fraudar a eleição de 2018. Por isso, querem tirar o Lula da jogada, porque com ele a fraude daria na vista, pois a diferença de voto seria grande a seu favor.

Duvidam? Pois bem, hoje a MPF pediu a eliminação do papelzinho que seria impresso quando o voto vai pra urna eletrônica, por garantia, caso haja alguma impugnação. Que ideia esquisita acabar com essa garantia natimorta! Trata-se de um projeto do candidato Bolsonaro, a ser usado pelo TSE nas eleições de 2018. Para não me confundirem, aviso: não sou eleitor desse sujeito.

Ora, a impressão do voto foi criada justamente porque a direita alimentou receios que as urnas eletrônicas poderiam ser fraudadas. A procuradora chefa do MPF alegou justamente o contrário: os tais papeizinhos poderiam aumentar a possibilidade de fraude e a perda do sigilo do voto. Ôpa! Senhora Procuradora, as urnas não são confiáveis? Tal raciocínio da Sra. Dodge, pra mim, está destrambelhado. É justamente o contrário do que diz quanto à segurança; e quanto ao sigilo, há tantas formas mais simples de quebrá-lo.

Well, em tempos de golpe e de criptografia devassada, é bom lembrar que a CIA quebra qualquer desses enredos ditos seguros. O papel, o mais seguro deles, não criptografado, é justamente o que o MPF pede pra ser eliminado.  Vá entender!

Texto alterado em 6/2/2018.

George Alberto de Aguiar Coelho

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Estupidez de muitos dos chamados operadores de direito

Estúpidas posturas de muitos juízes, promotores e advogados q apoiaram a tal Brasil Ralo a Jato. Adoraria q ñ houvesse este troço pra proteger bandido, criado pelos suiços pra guardar conta de nazistas na II Guerra, chamado sigilo bancário. Viria fácil quem lucrou com a destruição do Brasil.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Continua a injustiça ao Lula

Não se desfaz a injustiça ao Lula apenas devolvendo o seu passaporte. O Estado teria de se desculpar publicamente das graves ofensas que impingiu ao Lula desde quando este era líder metalúrgico e começou a perseguir o maior lider brasileiro vivo. Lula condenado? A injustiça continua.

#TucanoTemProteçãoAmbiental